MEU LIVRO - EDITORA CORPOS - PORTUGAL

sábado, 1 de maio de 2010

A IMAGINAÇÃO E A CURIOSIDADE






 
A Imaginação e a Curiosidade





A imaginação andava muito preocupada.

Sentia-se cansada e não sabia a quem recorrer,

nem mais o que escrever.

Então lembrou-se de sua amiga,

a Curiosidade , que era quem

sempre sabia os problemas resolver.

- Amiga, estou aos seus cuidados,

o que tens para me oferecer?

Perguntou a Imaginação, sem se conter.

Já pensei em consultar um médico,

mas não sei se ele vai me entender.

Preciso renovar meu repertório

e não sei por onde começar,

falou a Imaginação,

pondo-se a pensar...

- Não desistas, tenho um plano

e só me seguir que eu te acompanho

e pelo caminho vou te explicando,

o que devemos fazer,

falou a Curiosidade,

já muito feliz em poder colaborar

e depois a todos contar

o que a Imaginação iria inventar.

- O que tens em mente,

perguntou a Imaginação à Curiosidade,

que corria a sua frente,

sem deixá-la respirar.

- Siga-me e não comente,

se não me perco novamente

e ficamos as duas só a imaginar

o que busco tão contente.

E lá se foram as duas,

conversando amigavelmente.

A Curiosidade seguiu por um

caminho estreito,

levando a Imaginação a pensar,

no que estaria a sua amiga a procurar.

Chegaram a uma cabana escondida,

em meio a uns arbustos,

numa pequena colina,

onde apenas a fumaça que saía pela chaminé,

era visível aquela hora da matina.

A Curiosidade não se continha

e a Imaginação já mais desperta,

começava a imaginar,

quem poderia estar aquela hora

fazendo um café,

já que da chaminé

a fumaça que se erguia,

deixava muito a desejar.

A porta estava entreaberta

e as duas já querendo por ali espionar,

para ver se poderiam descobrir,

quem estava naquela cabana a morar.

Pé- ante- pé, sem fazer nenhum ruído,

as duas foram entrando

e com surpresa ali encontraram

alguém dormindo,

o aroma de café do bule evaporando

e no ar se espalhando.

A Curiosidade não se conteve

e foi logo acordando o gênio do café,

que estivera adormecido.

O coitado, distraído,

mal percebeu que a água do bule havia fervido,

e o café já estava servido.

- Quem são vocês e o que fazem aqui,

perguntou ele, surpreso,

ao ver que havia sido surpreendido

ainda dormindo, vestindo só o abrigo.

Somos a sua Imaginação,

meu querido amigo

e a sua Curiosidade é tanta,

que voltaremos mais vezes para visitá-lo,

mas se prepare,

não queremos mais acordá-lo.

E as duas desapareceram,

contentes com o que encontraram.

A Curiosidade satisfeita por

ter ajudado a Imaginação

a essa pequena estória escrever

e a um bom café tomar para aquecer

e depois adormecer...

 


Débora Benvenuti



Postar um comentário