MEU LIVRO - EDITORA CORPOS - PORTUGAL

sábado, 20 de agosto de 2011

Decepção




Decepção


A Imaginação precisava encontrar
uma palavra para definir
Decepção.
Mas por mais que se esforçasse,
não conseguia encontrar essa
Definição.
Era tal a sua indignação,
que nada superava essa sua
Rejeição.
Estava se sentindo a própria
Decepção.
Pintava com palavras,
Escrevia com o coração,
Transformava sentimentos
com muita emoção,
Mas nunca assassinara
nem um personagem
com a sua imaginação.
E agora se via transtornada,
sem encontrar uma palavra,
que expressasse a sua
Indignação.
Um personagem de sua criação
havia sido assassinado
sem nenhuma explicação.
E ela agora não sabia
o que fazer
para reverter essa situação.
A Imaginação estava tão decepcionada
que não encontrou nenhuma palavra
para descrever...
Decepção.

Débora Benvenuti

A Esperança e o Sonho




A Esperança e o Sonho


A Esperança estava cansada de esperar pelo Sonho. Quando enfim ele pode ser sonhado, a Esperança ficou cheia de expectativas. O Sonho se aproximou da Esperança e ela suavemente falou aos seus ouvidos, esperando com isso desperta-lo do longo tempo em que o Sonho esperou ser sonhado. Mas este era um Sonho que havia ficado perdido no tempo e com o tempo, havia adormecido e por mais que a Esperança tentasse desperta-lo, ele não demonstrava nenhum sinal de que pudesse ser despertado. Quando o telefone tocou, o Sonho acordou e mesmo depois de desperto, esqueceu que era Sonho e não mais pode ser sonhado. A Esperança então percebeu que o Sonho, depois de algum tempo, não mais pode ser sonhado, porque perde a essência que um dia o tornara um Sonho e passa a ser apenas uma lembrança esquecida no fundo do baú.

Débora Benvenuti

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

As Quatro Estações

  



As Quatro Estações
  
  
As quatro estações
queriam se encontrar,
mas não sabiam o que fazer
para esse sonho realizar.
O Outono então pensou
num plano para poderem se comunicar.
Escreveu com gotas de orvalho,
numa folha seca,
uma mensagem que fez o vento carregar,
até o Inverno encontrar.
E com o frio que fazia,
o Inverno soprou
com toda a força que podia,
a mesma folha até a Primavera encontrar.
A folha flutuou no ar por muitos dias
e num belo jardim florido se deixou ficar.
Um pássaro que por ali voava,
a folha foi juntar,
para o seu ninho com carinho, afofar.
Percebeu a mensagem que a folha trazia
e viu que precisaria encontrar alguém
que a fosse levar.
Como o seu ninho não podia abandonar,
pediu ao beija-flor,
que fosse de flor em flor
a mensagem entregar.
E num belo dia de verão,
as quatro estações se encontraram.
O dia amanheceu com cerração,
depois a neblina se dissipou
e o sol aqueceu tanto,
que derreteu as nuvens.
Elas caíram em gotas
que rolaram pelo chão,
com tanta força
que causaram uma inundação.
O frio chegou de repente
e fez todo mundo vestir um casacão,
para espantar o frio,
fora de estação.
E as quatro estações
comemoraram o encontro,
tomando um belo quentão
ao redor do fogão...


Débora Benvenuti

A Máscara da Incompetência



A Máscara da Incompetência


A Imaginação se sentiu incomodada
com a incompetência demonstrada
por pessoas mal intencionadas.
Mal começara o dia
e a Imaginação se deparava
com mais uma depravação.
O fato foi comprovado
por uma blogueira inconformada
com a visita inesperada
de um blogueiro depravado
que tinha no link
um nome inusitado.
Não vou falar o tal nome
por respeito à Imaginação,
este ser que sempre está
trazendo informação,
falando de tantas coisas
que só fazem bem
ao coração.
Mas isto só não foi o bastante
para a minha indignação.
Procurando uma imagem no Google,
vejo lá uma publicação,
num site de muita visitação.
O meu poema
“As Quatro Estações”
Editado no meu livro
e ali postado
sem muita consideração.
Era um site de jogos
e eu tentei fazer uma anotação.
Deixar escrito alguma coisa
que mostrasse que a incompetência
é a arma de muito ladrão.
Mas por não saber jogar,
precisei fazer a inscrição,
para poder postar um comentário
e perguntar se o usuário
não sabia que o plágio
é falta de competência
e traz muita incomodação.
Depois de entrar no site,
fiquei sabendo
que para postar,
precisava jogar.
E o tal comentário
eu deixei de postar,
por não saber jogar!


Débora Benvenuti

O Poema e a Ilusão



O Poema e a Ilusão


O Poema estava apaixonado
pela Ilusão.
Escrevia versos e tentava
conquistar seu coração.
Com palavras carinhosas,
fazia todo o dia
uma declaração.
A Ilusão não queria
demonstrar a sua paixão.
Acreditava que tudo
não passava de uma mera confusão.
Por ser Ilusão,
muito cedo desapareceria
e causaria uma enorme decepção,
a esse coração que dizia amá-la
e não conseguiria viver
com a rejeição.
Sabia muito bem que sofreria,
e sabendo da sua triste condição,
tão logo percebesse o engano,
partiria sem rumo e sem direção.
O Poema, percebendo a sua hesitação,
pediu a Ilusão que convivesse
para sempre no seu coração.
Casariam sem muita badalação,
sem festa e sem convidados,
para não serem incomodados,
nesta nova fase
que iniciavam com tanta convicção.
Para não serem enganados,
selaram assim essa união:
O Poema viveria
e em seus versos escreveria,
tudo o que sentia,
mesmo sabendo que o que sentia
Era a mais pura ilusão.


Débora Benvenuti

domingo, 7 de agosto de 2011

O Vento e a Flor


O Vento e a Flor

 

O vento sopra devagar

e faz a flor suavemente balançar.

Suas pétalas perfumadas

espalham um aroma sedutor,

que até o vento se impregna

desse aroma que exala da flor.

E percorrendo os campos floridos,

por vales, montanhas e mares,

o vento carrega consigo,

mensagens de amor,

a um coração solitário,

que vive sonhando com a flor.

O vento sopra de mansinho,

falando com carinho,

de sentimentos serenos,

sensações tão amenas,

que fazem o coração

se sentir tão pequeno.

Uma lágrima escorre

e um sentimento verdadeiro,

transforma aquele sentimento

num doce devaneio.

Um amor derradeiro,

um sonho inteiro dedicado à flor.



Débora Benvenuti

O Acendedor de Corações e o Amor


O Acendedor de Corações
e o Amor


Quando a noite silencia
e não se ouve mais
os ruídos do dia,
O Acendedor de Corações
retoma a sua rotina.
Foi assim que começou
a estória do Acendedor.
Com a noite como cobertor
e a insônia a lhe inspirar poesia,
ele já sabia
o quanto a noite estava longe
de conhecer o dia.
Ansiava por um amor
que lhe trouxesse um pouco de calor,
falasse palavras doces
e o abraçasse com ardor.
Mas nada disso ele tinha,
para aumentar sua auto-estima.
Passava as noites perambulando
pelas esquinas do seu pensamento.
E quanto mais ele se entretinha
a escrever nas entrelinhas,
mais desejava encontrar alguém
que soubesse
entender o que ele sentia.
E as horas se estendiam
até o raiar do dia,
sem que o Acendedor encontrasse
quem ele mais queria.
Escreveu tantos versos,
falou tanto de amor,
até que alguém ouviu
falar do Acendedor.
Do outro lado do oceano,
um coração que muito amou,
sentiu que era preciso
conhecer o Acendedor.
E conhecedor desse amor,
transformou o Acendedor
num belo livro de poemas,
onde estão reunidos
os mais belos versos
e as mais belas juras de amor,
coisa que só quem já conheceu o amor
é capaz de entender
“ O Acendedor de Corações.”


Débora Benvenuti