MEU LIVRO - EDITORA CORPOS - PORTUGAL

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

O Travesseiro e a Travessia





  Certa vez um Travesseiro 
 de tanto sonhar com o Amor
resolveu fazer uma travessia, 
carregando um sonho, na maré fria. 
Decidiu seguir o vento,
ouvindo o lamento do mar,
numa noite em que só se ouvia
o murmurar das ondas
e o canto da sereia na lua cheia.
- Para onde me levas,
perguntou o Travesseiro,
às ondas que se erguiam
além do mar.
- Viajo por todos os mares
e trago comigo,
além das mensagens 
toda a bagagem
de quem só sabe amar.
E você, por que carregas,
com tanto esmero, 
esses poemas, 
amigo Travesseiro?
- Levo comigo todos os sonhos
que um amigo tão distraído 
deixou-me carregar. 
São poemas lindos 
que preciso entregar, 
antes que esse sonho 
possa acabar. 
E o Travesseiro, todo faceiro, 
os poemas carregou com ele 
e os entregou a quem dizia amar. 
- E o que contém os poemas? 
Perguntou o mar ao amigo Travesseiro. 
- Só contém os desejos 
de um coração aventureiro
que vive somente para amar...
E a travessia o Travesseiro 
acabou por realizar,
o poema foi entregar, 
antes que o sonho pudesse acabar 
e esses versos o mar pudesse apagar... 

Débora Benvenuti

O Engano


O Engano nasceu de um encontro

entre a Mentira e a Verdade.

O Engano era muito descuidado.

Muitas vezes mentia

e nem percebia

que estava enganado.

Ele sempre se arrependia

quando percebia que

um erro cometia

e então nem mesmo se reconhecia,

quando isso acontecia.

Vivia sempre embaraçado.

Mal conseguia dar um passo

e se via todo enrolado.

Quando saía,

nunca sabia

por onde havia andado,

e acabava sempre

no lugar errado.

Isso muito problema lhe causava,

por que nunca conseguia

voltar para casa.

E quando lhe perguntavam

se havia algum engano,

Ele sempre dizia:

Desculpe, estou enganado.

E assim ele passava os dias,

tentando descobrir uma forma,

de não mais se sentir humilhado,

em situações

em que ele sempre se metia.

Até que um dia,

encontrou um amigo

que lhe disse que não se preocupasse,

carregasse sempre uma Verdade

e dela nunca mais se separasse.

Por onde fosse,

espalhasse pedacinhos da Verdade,

para quando se enganasse,

se lembrasse de percorrer o mesmo caminho

e assim nunca mais se sentiria enganado!

 

Débora Benvenuti

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

O Tempo, a Memória e o Vento






  
Uma leve brisa faz balançar a Memória, que inerte, parece não ter mais vida. O Vento estava sempre a soprar, num esforço inútil de fazer  a Memória recuperar o Tempo perdido. Mas o Tempo  estava sempre muito apressado e cada vez passava mais depressa. A Memória abria a janela de seu pensamento, na esperança de que o Tempo percebesse que ali ainda havia uma luz que não se apagara, apenas tremeluzia fraca e cansada. Muitas vezes o coração da Memória se emocionava com alguma lembrança que o Tempo deixava cair, ao passar distraído pela estrada da vida. Nada mais do que isso. Quanto mais pensava no Tempo, mais a Memória se tornava fraca e cansada. Se pelo menos o Tempo fosse conhecedor de todas as lembranças que habitavam a Memória e que estavam submersas no mais profundo do seu ser, talvez se compadecesse dela e soprasse em seus ouvidos, as canções já esquecidas, que apenas faziam eco em seu pensamento, mas não se faziam ouvir. Com estes tristes pensamentos, a Memória adormeceu e sonhou todos os sonhos que esquecera de sonhar e que o Tempo, na sua pressa, a impedira de realizar.


Débora Benvenuti

sábado, 14 de dezembro de 2013

A consciência, o Pensamento e a Imaginação


                                  


Já havia um bom tempo que a Consciência se dera conta de que havia se formado um vazio no seu pensamento e por mais que buscasse a ajuda da Imaginação, nada mais acontecia. Já se fora o tempo em que a Imaginação voava livre, mesmo sem a ajuda do Pensamento. Algo acontecia com a Imaginação e não havia nada que mudasse essa situação. O Pensamento vagava horas a fio pelo infinito da Imaginação e quanto mais vagava, mais perdido ficava. Havia uma lacuna que precisava ser preenchida e quanto mais pensava nisso, mais a Consciência se certificava de que precisava encontrar uma saída. Eram várias portas que haviam se fechado, impedindo a saída da Imaginação. Nunca houvera uma situação que se prolongasse por tanto tempo. Era o caos virado do avesso. As palavras sempre foram muito inteligentes, mas agora elas não sabiam mais como se organizar. Sem a ajuda do Pensamento, elas se misturavam umas às outras e não conseguiam se expressar. E por assim ser,nada mais poderia ser feito a não ser esperar que de repente,tudo voltasse a ser como era antes. A Imaginação precisava descobrir onde havia perdido as suas asas e quando as encontrasse, voltaria novamente a voar... 

Débora Benvenuti