MEU LIVRO - EDITORA CORPOS - PORTUGAL

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

NO TÚNEL DO TEMPO



No Túnel do Tempo





O silêncio escorrega

no túnel vazio da tua ausência.

As palavras despem-se

do sentido que as cobrem

e vestem-se de longos momentos

de agonia.

Já não ouço mais nem um som.

O vazio aumenta.

O vácuo engole voraz

a tua imagem

e o meu pensamento desfalece,

e audaz se desfaz,

na poeira do tempo

que o contempla.

Quero gritar,

mas nenhum som

se dispõe a me escutar.

As palavras se dispersam

e se perdem num emaranhado

de teias invisíveis.

Não vejo mais sentido

em nada do que eu digo.

Nem com frases mais eu consigo

descrever o que eu sinto.

O tempo corroeu o meu eu.

Desfez as marcas incrustadas

na saudade que grita

e agoniza na calçada.



Débora Benvenuti
Postar um comentário